Arquitetura e Design: Madeira carbonizada, a técnica japonesa tradicional em expansão mundial.

Ancestral, vernacular e minimalista, três palavras que possivelmente podem definir o Japão, país que têm servido de base inventiva e tecnológica a inúmeras culturas.

Nas últimas décadas, as tecnologias populares japonesas parecem ter invadido o mundo, não apenas na área tecnológica, como geralmente associado, mas também, nas áreas técnicas e artísticas. Na arquitetura, a apropriação de diferentes materialidades e técnicas construtivas ganhou notoriedade, como reinvenção do processo, caso da carbonização da madeira em fachadas.

A popular técnica japonesa, com mais de trezentos anos, nomeada de Shou Sugi Ban, trata-se do tratamento das madeiras utilizadas na construção das tradicionais vilas de casas de pescadores na ilha de Naoshima, no Japão, na tentativa de combater os possíveis danos causados pelas intempéries e agressões naturais do mar às construções. No país, a priori, o processo consistia na queima da camada externa da madeira com o uso de fogueiras, contudo, atualmente, o método consiste na carbonização das tábuas por meio de um maçarico, de modo que as fibras externas possam reagir deixando a madeira imune ao ataque de cupins, fungos e agressões naturais, por décadas.

Casos como da Residência Meijendel (2016), projetada pelo escritório holandês VVKH architecten e o Refúgio na Floresta (2013), com projeto do escritório Uhlik architekti, parecem pedras esculpidas em meio à mata, pontuando sutilmente o território.

Veja alguns outros projetos:

Refúgio na Floresta / Uhlik architekti
TinkerBox / Studio MM Architect
Casa Plissada / Johnsen Schmaling Architects

 

Fonte: Archdaily